Home / Notícias / Vacina da gripe: o que muda em 2018
Vacina da gripe: o que muda em 2018

Vacina da gripe: o que muda em 2018

A vacinação é a estratégia mais importante para evitar novos surtos dessa doença. Veja as principais modificações para a nova temporada.

Anote na agenda: no dia 23 de abril de 2018 começa a Campanha Nacional de Vacinação contra o Influenza, estratégia do Ministério da Saúde para diminuir o impacto da gripe em todo o país. O Dia D, considerado a data mais importante de mobilização nacional, está marcado para 12 de maio, um sábado.

A ideia era iniciar os trabalhos uma semana antes, no dia 16 de abril. Mas algumas dificuldades de fabricação e logística dificultaram a distribuição da vacina. Apesar do atraso, o ministério aposta que a troca de datas não trará problemas, uma vez que a campanha se iniciará ainda no outono, antes de o inverno começar, quando o número de atingidos sobe pra valer.

Se você faz parte dos grupos de risco para complicações da doença (veja mais abaixo), sua participação é primordial. A gripe é uma doença séria, que mata mais de 650 mil pessoas todos os anos, de acordo com um recente levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além de causar aqueles sintomas clássicos — febre alta, nariz entupido, cansaço e dor no corpo —, ela está por trás de complicações como pneumonia e infarto.

Quem deve tomar?
Em comparação com 2017, não teremos nenhuma alteração em relação ao público que deve levar a picada. A escolha desses grupos se deve ao fato de eles serem mais vulneráveis aos efeitos da gripe e sofrerem mais com seus sintomas e desdobramentos.

Além disso, parte desse pessoal possui contato diário com outras pessoas infectadas, o que aumenta o risco de transmissão. A lista inclui:

  • Crianças de 6 meses a 5 anos
  • Pessoas com mais de 60 anos
  • Gestantes
  • Mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias
  • Profissionais da saúde
  • Professores da rede pública e particular
  • População indígena
  • Portadores de doenças crônicas, como diabetes, asma e artrite reumatoide
  • Indivíduos imunossuprimidos, como pacientes com câncer que fazem quimioterapia e radioterapia
  • Portadores de trissomias, como as síndromes de Down e de Klinefelter
  • Pessoas privadas de liberdade
  • influenza

Comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*